X

Assinatura de Newsletter

X

RECEBA NOVIDADES:

Nome
Email
CONSTRUÇÃO DE MARCA

Experiência multissensorial na prática.

24/09/2018

Hoje em dia é muito comum ouvirmos falar de experiência do consumidor e como buscar envolvê-lo por meio de uma experiência multissensorial. Ou seja, uma experiência que estimule as nossas emoções por meio dos nossos sentidos (visão, audição, tato, olfato e paladar) e que fazem recordar e estimular nossas memórias.

E como proporcionamos uma experiência multissensorial na construção da nossa marca? Trago dois exemplos distintos e práticos que vivenciei recentemente:

  • Neste último final de semana fui viajar para a Serra Gaúcha para a cidade de Gramado: ao chegar no hotel Canto Verde, visualizei um local de pequenos chalés e uma área toda arborizada condizente ao próprio nome do hotel. Ao realizar o check-in a moça da recepção nos levou até o quarto, no corredor senti um cheirinho leve (que não soube identificar o aroma), e que me remeteu a sensação de que o local era MUITO limpo e aconchegante. Já no quarto, em cima da cama havia um recadinho escrito a mão, acompanhado de um doce. (e isso se repetiu após a limpeza do quarto no dia seguinte). Como se não bastasse, após dois dias de estádia, ao realizar o check-out, me foi entregue um "kit viagem" que continha água e cookies. Simples ações, investimento baixo e recomendação garantida. A cidade é turística e encanta por si, mas de fato esta experiência proporcionada pelo hotel, agrega um valor incontestável a marca.

 

  • Falando de uma marca mais próxima do meu dia a dia, cito a loja Dini's, aqui de Estrela, cidade vizinha de Lajeado no Vale do Taquari. É uma loja de roupas feminina, em que o ambiente é climatizado, durante a semana uma música calma (blues ou reggae) e mais para o final da semana em clima de festa (sertanejo ou funk), sempre tem aquele chimarrão e café, além do atendimento familiar de duas irmãs e sua mãe que cativam (se não todas) uma grande parte das pessoas que entram na loja. De alguns meses pra cá, observei algo diferente nas minhas compras, ao entrar na loja a música é alterada para The Beatles (um gosto pessoal meu), após chegar em casa com a roupa que adquiri, o cheiro da loja segue na sacola, e se não bastasse, não é a sacola que está "perfumada" são as roupas, que mesmo depois de uma semana organizada deixa o meu guarda-roupa todo cheiroso e me proporciona um bem estar e a lembrança da loja.

 

Dois exemplos distintos e com ações similares que buscam ativar algo bom na mente do consumidor do seu produto ou serviço. O que Lindstrom (2012), dizia que as empresas precisam estar de olhos abertos em relação aos consumidores e as suas atividades. A emoção com que devem despertá-los foge do método que estava sendo usado no passado, voltado àqueles que vão ao encontro do produto e/ou serviço esperando uma resposta da marca, e sim, despertar o desejo levando ao ato da compra.


Em um dos casos, uma pessoa desconhecida, mas o hotel buscava a experiência única do hóspede (algo que o marcava) e no outro caso, uma pessoa conhecida e que os gostos pessoais foram ativados e a levaram a compra (despertando o desejo de compra).

Preciso dizer mais sobre a experiência para a construção de marca?

Deixe seu comentário

Enviando Comentário

Artigos Relacionados

INDEX.php//138 Configure o Instagram Aqui!